Líder de seita com 39 esposas e 94 filhos morre aos 76 anos na Índia

Ziona Chana dizia ser o chefe da ‘maior família do mundo’; a morte do religioso foi confirmada pelo governo regional de Mizoram, no nordeste indiano. Ziona Chana, chefe de uma seita cristã na Índia que permite a poligamia, foto de 2011
Adnan Abidi/Reuters/Arquivo
O líder de uma seita poligâmica morreu neste domingo (13), na Índia, aos 76 anos. Ele deixou 39 esposas e 94 filhos, confirmaram nesta segunda (14) as autoridades locais. Ziona Chana era hipertenso e tinha diabetes. A causa da morte não foi divulgada.
Chana dizia ser o chefe da “maior família do mundo” e despertava curiosidade pela sua forma de vida. O governador de Mizoram – estado que faz fronteira com Bangladesh –, lamentou a morte do patriarca em uma rede social.
Zoramthanga escreveu que a família Chana foi responsável por transformar o vilarejo de Baktawng Tlangnuam, onde viviam, em uma “grande atração turística”.
“Me despeço de Chana com o coração pesado”, disse Zoramthanga.
Com um total de 167 membros, a família é uma das maiores do mundo – perde talvez apenas para os Blackmore, mórmons do Canadá, com 178 membros entre esposas, filhos e netos.
Família de Ziona Chana em foto tomada em 2011
Adnan Abidi/Reuters/Arquivo
Todos os membros da família Chana vivem juntos em uma ampla construção de quatro andares e mais de 100 quartos.
A seita Chana foi fundada pelo pai de Ziona em 1942 e tem centenas de famílias filiadas. Ziona se casou pela primeira vez com 17 anos e afirmava ter se casado com dez mulheres em um único ano.
Sua filosofia é baseada nos princípios cristãos, apesar do fato de que os líderes da Igreja Presbiteriana, a principal fé no estado, rejeitam a poligamia de Chana.
As mulheres de Chana compartilhavam um dormitório perto de seu quarto de dormir, e moradores disseram que ele gostava de ter sete ou oito ao seu lado o tempo todo.
Apesar do tamanho da família, o patriarca disse em entrevista à agência de notícia Reuters em 2011 que queria que ela crescesse ainda mais.

Comissão do voto impresso deve votar parecer até o fim do mês

A comissão da Câmara dos Deputados que discute o voto impresso deve dar parecer sobre o assunto até o fim do mês. O objetivo da medida, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, é instituir a emissão de comprovante pela urna eletrônica, mas a proposta pode esbarrar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na semana passada, o presidente do tribunal, Luís Roberto Barroso, voltou a se posicionar contra a implementação da mudança, alegando judicialização do pleito e “retrocesso”. Ao mesmo tempo, Bolsonaro argumenta que o processo dará mais transparência e reitera: a palavra final é do Congresso Nacional. “Se o Congresso promulgar a PEC do voto auditável impresso, teremos eleições com voto impresso em 2022 e ponto final. Não se discute mais esse assunto. Não tem que ninguém dar palpite”, disse o mandatário. O deputado Filipe Barros, relator da comissão, afirma que o objetivo é apresentar um “texto pacífico”, a ser discutido antes do recesso parlamentar. “Ainda temos algumas audiências públicas para ouvir convidados, especialistas, advogados, especialistas em segurança digital. Estamos ouvindo todas as pessoas, os favoráveis, os contrários, pessoas que têm dúvidas. E antes do recesso parlamentar, que o relatório seja votado no plenário da Câmara dos Deputados em duas votações”, afirmou. O presidente da Comissão da Câmara, deputado Paulo Eduardo Martins, admite se tratar de uma corrida contra o tempo.

“Esse não é um assunto novo para o Congresso Nacional, há muitos anos ele é debatido, inclusive foi aprovado e declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. Por isso discutimos uma Proposta da Emenda à Constituição, para sanar qualquer vício de constitucionalidade que venha ser levantado no futuro. A mudança na legislação eleitoral tem que ocorrer um ano antes do pleito que vai acontecer. Então temos eleições previstas para 2022, então temos que aprovar a emenda até o final de setembro para que ela tenha aplicabilidade na eleições de 2022. Por isso, devemos votar na comissão até a última semana de junho o parecer apresentado pelo relator”, disse o parlamentar. Ele considera que o voto auditável vai aumentar a confiança dos eleitores nos resultados. Já o advogado Arthur Rollo, especialista em direito eleitoral, destaca que o TSE terá dificuldades para implementar a mudança.

“Além de eventualmente aprovar, terá que viabilizar o orçamento e os recursos financeiros indispensáveis a sua implantação, estimados em R$ 2,5 bilhões. Além disso, a aprovação deverá ocorrer com anterioridade suficiente para que o TSE adote as providências administrativas, como o estudo da viabilidade econômica de adaptar as urnas eletrônicas já existentes ou de comprar novas já acopladas às impressoras. Tudo isso leva tempo que talvez não seja suficiente para implementar essa novidade para as eleições de 2022, mesmo caso venha a ser aprovada pelo Congresso Nacional”, afirmou. Arthur Rollo acrescenta que uma licitação para adaptar ou fabricar as novas urnas terá de ser feita e o processo é demorado. Depois de aprovada na Comissão da Câmara, a PEC vai ao plenário e, se aprovada, será remetida ao Senado Federal.

*Com informações da repórter Nanny Cox

STF não pode boicotar nosso trabalho, diz Girão sobre ida de governadores à CPI

A CPI da Covid-19 no Senado Federal inicia mais uma semana de trabalhos. A expectativa é que colegiado receba o ex-secretário de saúde do Amazonas, o empresário Carlos Wizard e o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, para oitivas. No entanto, há dúvidas quanto ao comparecimento dos depoentes à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), já que a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu autorização ao governador do Amazonas, Wilson Lima, para que o político não prestasse depoimento aos senadores. Com isso, parlamentares temem que a decisão seja repetida para outros líderes estaduais. Para o senador Eduardo Girão (PODE), a expectativa é que a determinação tenha sido “um fato isolado”. ‘A gente não pode esquecer que o STF foi que mandou o Senado abrir a CPI. Não pode simplesmente boicotar o trabalho que a gente está fazendo. O novo objetivo, pelo menos de uma parte da comissão, é ver toda a verdade. Investigar o governo federal, mas também os Estados e municípios, porque eles receberam bilhões para enfrentar a pandemia. Essas verbas federais, escândalos não faltaram”, pontuou o parlamentar nesta segunda-feira, 14, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan. Para Girão, a CPI da Covid-19 é o primeiro colegiado que “não quer olhar a corrupção”, o que contribui para a perda de credibilidade dos trabalhos. “Tudo parou por causa dessa CPI. Então se tem CPI, vamos investigar tudo”, defendeu.

Sobre a ausência do governador do Amazonas, Eduardo Girão pontuou que a situação acabou atrapalhando os trabalhos do colegiado e disse esperar que outros governadores e prefeitos compareçam às oitivas. Para ele, o “grande ponto da semana” acontece nesta terça-feira, quando o colegiado deve votar a convocação de Carlos Gabas, diretor do Consórcio Nordeste. “Teve escândalo de comprar 300 respiradores da indústria da maconha. Não me pergunte o tem a ver a droga com a Covid-19 e respirador. Esses respiradores foram compradores com quase R$ 50 milhões do povo e nunca chegaram”, ressaltou. Da mesma forma, o senador defende a necessidade da CPI da Covid-19 também ouvir especialistas e cientistas favoráveis ao tratamento precoce contra o coronavírus, alegando que 14 mil médicos defendem o uso dos medicamentos. “Estamos em uma guerra, em uma guerra precisamos de vacinas, precisamos do uso de máscara sim, distanciamento físico e também álcool gel. Por que não o tratamento precoce com recomendação médica?”, questionou. Eduardo Girão também considera que ainda é “cedo” para falar se houve falhas na compra de vacinas pelo governo federal e afirma que a pandemia vai deixar uma “lição do ponto de vista espiritual”, mostrando a necessidade de “dar valor ao que mais importa na vida”.

Rapper americano é assassinado aos 19 anos após ser ameaçado nas redes sociais

O americano Michael Brock, que integrava o grupo de rap Three-13, foi morto a tiros aos 19 anos por membros de um grupo rival de rappers. O crime aconteceu no último dia 7 de junho em um apartamento no qual Michael estava escondido após receber ameaças de morte pelas redes sociais. “Havia outras pessoas presentes no apartamento, incluindo uma criança de 7 anos que estava no mesmo quarto com Brock durante o tiroteio, mas a criança milagrosamente não foi baleada”, informou o Departamento de Polícia de Bogalusa, nos Estados Unidos, em um comunicado que foi divulgado pelo New York Post no último domingo, 13. Tauj Taplin, de 19 anos, é o principal suspeito de atirar várias vezes à queima-roupa no rapper, que teria fugido do local em um carro que estava sendo conduzido por Quardavion White, um jovem de 19 anos suspeito de fazer parte de uma gangue. Tanto ele quanto Tauj são membros de um grupo de rap chamado The Fours. A polícia identificou os rappers após analisar as imagens de vigilância da região. A prisão aconteceu três dias após o assassinado e, no momento em que foram abordados, a dupla tentou escapar dos policiais, mas houve uma perseguição de carro e eles foram pegos. O que teria motivado o crime não foi divulgado pela polícia.

Rapper americano é assassinado aos 19 anos após ser ameaçado nas redes sociais

O americano Michael Brock, que integrava o grupo de rap Three-13, foi morto a tiros aos 19 anos por membros de um grupo rival de rappers. O crime aconteceu no último dia 7 de junho em um apartamento no qual Michael estava escondido após receber ameaças de morte pelas redes sociais. “Havia outras pessoas presentes no apartamento, incluindo uma criança de 7 anos que estava no mesmo quarto com Brock durante o tiroteio, mas a criança milagrosamente não foi baleada”, informou o Departamento de Polícia de Bogalusa, nos Estados Unidos, em um comunicado que foi divulgado pelo New York Post no último domingo, 13. Tauj Taplin, de 19 anos, é o principal suspeito de atirar várias vezes à queima-roupa no rapper, que teria fugido do local em um carro que estava sendo conduzido por Quardavion White, um jovem de 19 anos suspeito de fazer parte de uma gangue. Tanto ele quanto Tauj são membros de um grupo de rap chamado The Fours. A polícia identificou os rappers após analisar as imagens de vigilância da região. A prisão aconteceu três dias após o assassinado e, no momento em que foram abordados, a dupla tentou escapar dos policiais, mas houve uma perseguição de carro e eles foram pegos. O que teria motivado o crime não foi divulgado pela polícia.

Internado com Covid-19, ex-goleiro Aranha deixa a UTI e vai para o quarto

O ex-goleiro Aranha, internado devido às complicações provocadas pela Covid-19, deixou a UTI e foi transferido para um quarto do Hospital Samuel Libânio, em Pouso Alegre, em Minas Gerais. A informação foi compartilhada nesta segunda-feira, 14, pela esposa do ex-arqueiro, que agradeceu o apoio recebido por fãs e clubes. Atlético-MG, Ponte Preta, Santos e Palmeiras fizeram uma corrente pelo antigo atleta. “Estamos muito felizes em saber que ele vai continuar se recuperando fora da UTI. Agradecemos, de coração, a todos que incluíram o Aranha em suas orações. “Agradecemos a todas as pessoas que torceram por nossa família, neste momento tão difícil, e que oraram para que o Aranha se recuperasse o mais rápido possível”, escreveu.

“Estendemos ainda nossos agradecimentos a toda equipe médica do Hospital Samuel Libânio, de Pouso Alegre, que tem vem cuidando dele tão bem. Esperamos que nosso Aranha possa em breve voltar para casa. Assim que possível, vamos atualizar vocês. Mais uma vez, agradecemos a todos e fazemos um apelo: usem máscara e cuidem-se. Esta doença é traiçoeira”, completou a mulher, que também precisou ficar internada por causa de sintomas do novo coronavírus. Revelado nas categorias de base da Ponte Preta, Aranha vestiu as cores do time campineiro entre 2000 e 2009. Em seguida, o arqueiro passou por Atlético-MG, onde ganhou o Estadual de 2010, e Santos, participando das conquistas da Copa Libertadores da América (2011), bicampeonato do Paulistão (2011 e 2012) e Recopa Sul-Americana. Em 2015, teve rápida passagem pelo Palmeiras, atuando também no Joinville, retornando para a Macaca e encerrando a carreira no Avaí, em 2018.

Internado com Covid-19, ex-goleiro Aranha deixa a UTI e vai para o quarto

O ex-goleiro Aranha, internado devido às complicações provocadas pela Covid-19, deixou a UTI e foi transferido para um quarto do Hospital Samuel Libânio, em Pouso Alegre, em Minas Gerais. A informação foi compartilhada nesta segunda-feira, 14, pela esposa do ex-arqueiro, que agradeceu o apoio recebido por fãs e clubes. Atlético-MG, Ponte Preta, Santos e Palmeiras fizeram uma corrente pelo antigo atleta. “Estamos muito felizes em saber que ele vai continuar se recuperando fora da UTI. Agradecemos, de coração, a todos que incluíram o Aranha em suas orações. “Agradecemos a todas as pessoas que torceram por nossa família, neste momento tão difícil, e que oraram para que o Aranha se recuperasse o mais rápido possível”, escreveu.

“Estendemos ainda nossos agradecimentos a toda equipe médica do Hospital Samuel Libânio, de Pouso Alegre, que tem vem cuidando dele tão bem. Esperamos que nosso Aranha possa em breve voltar para casa. Assim que possível, vamos atualizar vocês. Mais uma vez, agradecemos a todos e fazemos um apelo: usem máscara e cuidem-se. Esta doença é traiçoeira”, completou a mulher, que também precisou ficar internada por causa de sintomas do novo coronavírus. Revelado nas categorias de base da Ponte Preta, Aranha vestiu as cores do time campineiro entre 2000 e 2009. Em seguida, o arqueiro passou por Atlético-MG, onde ganhou o Estadual de 2010, e Santos, participando das conquistas da Copa Libertadores da América (2011), bicampeonato do Paulistão (2011 e 2012) e Recopa Sul-Americana. Em 2015, teve rápida passagem pelo Palmeiras, atuando também no Joinville, retornando para a Macaca e encerrando a carreira no Avaí, em 2018.

Copa América: Peru é a quarta seleção com infectados pelo novo coronavírus

A Federação Peruana de Futebol (FPF) informou que o preparador físico Néstor Bonillo testou positivo para a Covid-19 e não viajará para o Brasil para enfrentar o time comandado por Tite, em jogo marcado para a próxima quinta-feira, 17, na estreia da equipe na Copa América. Desta forma, o Peru torna-se o quarto participante a registrar infectados pelo novo coronavírus na primeira semana do torneio, que mudou de sede “de última hora”. Anteriormente, Venezuela, Bolívia e Colômbia também tiveram membros de suas delegações contaminados.

“O professor Bonillo encontra-se em bom estado de saúde e não viajará nesta segunda-feira, 14, com o restante da deleção peruana. O departamento médico continuará zelando pela integridade de seu profissional e irá dar suporte durante todo o período de confinamento. Ao mesmo tempo, continuará cumprindo estritamente as normas sanitárias estabelecidas pelas autoridades competentes”, diz um trecho do comunicado da FPF, que assegura o cumprimento à risca do protocolo estabelecido pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

Antes de enfrentar o Brasil na abertura da Copa América, a Venezuela informou que 13 pessoas de sua delegação contraíram a Covid-19, precisando chamar 15 atletas venezuelanos de emergência. A Bolívia, que encara a Argentina nesta segunda, teve 3 atletas infectados, além de um membro da comissão. Já a Colômbia, que começou sua campanha com vitória sobre o Equador, ficou sem um fisioterapeuta e um auxiliar-técnico por conta da doença. Ontem, em entrevista coletiva, Lionel Messi falou sobre o medo de se infectar em meio ao surto.

#ComunicadoFPF pic.twitter.com/JxoNttS0Qn

— Selección Peruana (@SeleccionPeru) June 14, 2021

Vice do Flamengo anuncia novo patrocinador e alfineta a CBF

O Flamengo anunciou mais um patrocínio para a temporada. Trata-se da plataforma de streaming e televisão Directv. O vice-presidente de Relações Externas, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, foi às redes sociais para celebrar o acordo, mas aproveitou para alfinetar a CBF. Vale lembrar que o dirigente fez declarações na semana passada na divergência com a entidade sobre a situação clínica do atacante Gabriel, que está com a seleção brasileira na Copa América. “Seja muito bem vindo DIRECTV GO – o mais novo parceiro comercial do Marketing do Flamengo. Já pensaram se nossos parceiros pudessem ser convocados também?”, publicou Bap em sua conta no Twitter.

Essa não foi a primeira alfinetada de Bap na CBF. Na última quarta-feira, antes da entidade divulgar o boletim médico sobre a ressonância magnética de Gabriel, o dirigente foi ao Twitter se manifestar. Sem citar nomes, fez uma espécie de charada com os torcedores, que logo sacaram o destinatário da mensagem. Ainda durante o dia, deu entrevista para falar sobre o centroavante, que, diagnosticado com um edema muscular, era aguardado pelo Flamengo em Curitiba para uma reavaliação. “O que é o que é? Um negócio que você usa recursos e ativos de 3os, investe pouco e tem receitas altas. Não paga por isso ainda que seja lei, nem tem riscos e obrigações trabalhistas. Você decide a vida dos outros e estes ainda pagam as suas contas. Dica: não é um clube de futebol”, escreveu Bap na ocasião.

Alheia a isso, a empresa americana fechou com o Flamengo até dezembro deste ano e terá a sua marca exposta nas placas de publicidade do CT do Flamengo, no Ninho do Urubu. Pioneira na TV dos Estados Unidos, a DIRECT TV tem o esporte como um dos conteúdos mais assistidos em sua plataforma. O acordo também foi recebido por outros dirigentes e torcedores nas redes sociais. “O futebol representa um dos conteúdos mais assistidos da DIRECTV GO. Sem dúvida, é uma paixão nacional, que move o país, e é natural que a marca esteja presente onde o nosso público está. Entendemos a grande relevância do Flamengo no futebol mundial e queremos, com esse patrocínio, reforçar a importância e nosso respeito pelo esporte brasileiro”, disse Gustavo Fonseca, presidente da Directv GO.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Eurocopa: República Checa bate Escócia com golaço do meio de campo

A República Checa começou em grande estilo a sua campanha na Eurocopa. Nesta segunda-feira, pelo Grupo D, mesmo jogando no estádio Hampden Park, em Glasgow, na Escócia, derrotou a seleção da casa por 2 a 0, com direito a um belo gol do meio de campo marcado pelo meia Patrik Schick, o craque do time, no segundo tempo, para completar a vitória que ele mesmo havia ajudado com um gol de cabeça na primeira etapa. Aos sete minutos do segundo tempo, Schick viu que o goleiro da Escócia, Marshall, estava adiantado e chutou do meio do campo, um pouco depois da linha que divide o gramado, com a perna esquerda. A bola fez uma curva no ar, encobriu Marshall e estufou as redes da Escócia.

O meia checo fez o famoso “gol que Pelé não fez” nesta segunda-feira. A frase é usada para ilustrar um gol marcado do meio de campo, em referência ao lance que o Rei do Futebol tentou na Copa do Mundo de 1970, no México, contra a Checoslováquia. Na ocasião, o chute do camisa 10 brasileiro foi para fora. O gol histórico de Schick foi o de maior distância já registrado na Eurocopa (desde 1980). De cinco finalizações do meia contra a Escócia, quatro foram no alvo. O jogador esteve envolvido diretamente em 10 gols nos últimos nove jogos que disputou como titular da seleção checa.

Esse ângulo do gol do Schick é absurdo. pic.twitter.com/ajKMgPFaIQ

— Doentes por Futebol ( JÁ!) (@DoentesPFutebol) June 14, 2021

Com a vitória por 2 a 0, a República Checa termina a rodada inaugural na liderança do Grupo B. Tem os mesmos três pontos da Inglaterra, mas leva vantagem no saldo de gols (2 a 1), já que os ingleses derrotaram a Croácia por 1 a 0, no último domingo, no estádio de Wembley, em Londres, no primeiro jogo da chave. A segunda rodada será disputada nesta sexta-feira. Novamente no estádio Hampden Park, em Glasgow, a República Checa enfrentará a Croácia, a partir das 13 horas (de Brasília). Um pouco mais tarde, às 16 horas, será a vez de Inglaterra e Escócia fazerem um duelo britânico no estádio de Wembley.

*Com informações do Estadão Conteúdo