G7 planeja distribuir 1 bilhão de vacinas contra Covid-19 a países pobres

Grupo de países ricos quer acabar com a pandemia até o ano que vem, ao distribuir doses preferencialmente às nações mais pobres que não têm condições de comprar vacinas. Governos também pretendem ampliar a produção de imunizantes. Doses da vacina da Pfizer contra o coronavírus
Carlos Osorio/Reuters
Os líderes do G7 vão se comprometer a distribuir 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 aos países pobres com o objetivo de acabar com a pandemia até 2022, anunciou nesta quinta-feira (10) o governo do Reino Unido.
A ideia, segundo o governo britânico, é que os países integrantes do G7 compartilhem, financiem e estabeleçam um plano para ampliar a produção de vacinas contra o coronavírus. O Reino Unido, que sedia o encontro deste fim de semana, detém a presidência rotativa do grupo.
“Ao vacinar mais pessoas ao redor do mundo, não ajudaremos apenas a deter a pandemia de coronavírus, mas também reduziremos o risco para as pessoas no Reino Unido ao reduzir a ameaça representada por variantes resistentes à vacina e encontradas em áreas com grandes surtos”, acrescentou o governo britânico.
A expectativa também é de que os líderes dos países integrantes do G7 discutam o estabelecimento de “mecanismos para prevenir futuras pandemias”. A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece que há o risco de que outros vírus surjam no futuro.
Distribuição de vacinas
Cinco milhões de doses serão entregues antes de setembro e o restante até 2022, principalmente por meio do programa internacional Covax.
Por sua vez, Londres vai doar 100 milhões de doses em excesso de vários laboratórios graças ao avanço de seu programa de vacinação, que já administrou quase 70 milhões de vacinas.
Os Estados Unidos já se comprometeram a fornecer 500 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech, incluindo 200 milhões este ano — o Brasil não entrou nessa contagem. Além disso, o presidente da França, Emmanuel Macron, pediu às empresas farmacêuticas que doassem 10% das doses vendidas a países desfavorecidos.
A presidência britânica do G7 também quer pedir aos grandes laboratórios que forneçam vacinas a preço de custo durante a pandemia, a exemplo da AstraZeneca/Oxford.
Em maio, Pfizer/BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson se comprometeram a fornecer 3,5 bilhões de doses a preço de custo ou com desconto para os países mais pobres em 2021 e 2022, incluindo 1,3 bilhão neste ano.

Deixe uma resposta