ONS minimiza risco de apagão e garante abastecimento em 2021

Alterando o próprio discurso um dia após alertar em nota técnica que os reservatórios de oito usinas hidrelétricas do sudeste e centro-oeste poderiam estar praticamente vazios até novembro com a perda do controle hidráulico e restrições no atendimento energético em regiões do país, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) garantiu abastecimento e descartou o apagão no Brasil em um novo comunicado divulgado neste sábado, 5. A organização informou que as medidas adotadas diante da pior crise hídrica desde 1930 garantirão luz no país em 2021. O operador reforçou que faz estudos e avaliações em um prazo de até cinco anos e admitiu que a nota técnica com projeções para o período de junho a novembro de 2021 chegou a apontar riscos, mas o cenário deve ser descartado após medidas encaminhadas pelo governo.

“O único cenário em que há risco de déficit é o cenário de referência, utilizado para demonstrar que ações precisavam ser tomadas com o intuito de evitar esta ocorrência. Sendo assim, diversas medidas foram aprovadas pelo comitê de monitoramento do setor elétrico e já estão em curso, o que faz com que este cenário não se concretize e se garanta o fornecimento de energia em 2021”, diz trecho do documento. Entre as ações, estão a flexibilização das restrições hidráulicas nas bacias dos rios São Francisco e Paraná, o aumento da geração térmica, a garantia do suprimento de combustível às usinas e a importação de energia da Argentina e do Uruguai e a campanha de uso consciente de água e energia. O ONS ressalta que o Brasil passa por uma crise hídrica e lembra que nos últimos sete anos as hidrelétricas receberam quantidades de água abaixo das médias históricas. Na quinta-feira, 3, o presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores em Brasília que o país vive a maior crise hídrica da sua história.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

Deixe uma resposta