Ativista antirracista britânica é baleada e hospitalizada em Londres

Sasha Johnson se notabilizou nas manifestações do Black Lives Matter do ano passado. Segundo a polícia e uma amiga, ela não teria sido o alvo planejado da agressão. A ativista Sasha Johnson em foto de 30 de agosto de 2020
AFP/Justin Tallis
Sasha Johnson, ativista que teve papel de liderança em manifestações antirracismo no Reino Unido está em estado crítico em um hospital de Londres após ter sido ser baleada.
O Partido Taking the Initiative (“Tomando a iniciativa”, numa tradução livre), do qual ela faz parte, disse que Sasha foi baleada na cabeça no domingo (23).
No ano passado, a ativista se destacou nos protestos do movimento Black Lives Matter no Reino Unido, onde manifestantes derrubaram estátuas de escravocratas britânicos.
As manifestações foram desencadeadas pela morte do norte-americano George Floyd, que completa um ano nesta terça (25).
Manifestantes derrubam estátua de traficante de escravos no Reino Unido
Embora Sasha tenha recebido “inúmeras ameaças de morte” relacionadas a seu ativismo, a polícia e uma amiga disseram que não parecia ser um ataque direcionado.
“Pelo que sabemos, ela estava em uma festa”, disse Imarn Ayton, amiga de Sasha, à BBC. “Havia uma gangue rival que pode ter ouvido falar de alguém que estava naquela festa com quem eles não se sentiam muito confortáveis ​​ou em quem não confiavam, então eles passaram dirigindo e atiraram no jardim, e um desses tiros atingiu Sasha Johnson”, comentou.
“Mas não acredito que ela fosse a vítima pretendida.”
O Taking the Initiative disse que Johnson é “uma voz forte e poderosa para nosso povo e nossa comunidade”.
A Polícia Metropolitana informou que foi chamada por causa de relatos de tiros na área londrina de Peckham pouco antes das 3 da manhã no domingo. Os tiros ocorreram perto de uma casa onde estava ocorrendo uma festa.
Segundo o comunicado, uma mulher de 27 anos está no hospital em estado crítico após ser baleada. A Polícia Metropolitana não a identificou diretamente, mas disse que “não há nada que sugira que foi um ataque direcionado ou que a mulher recebeu quaisquer ameaças críveis contra ela antes deste incidente”.
As autoridades pediram que testemunhas se manifestem e ainda não fizeram nenhuma prisão.
Como outros países, o Reino Unido teve grandes protestos antirracistas após a morte de George Floyd, o homem negro americano que foi sufocado por um policial em maio de 2020. Sasha foi oradora em manifestações no ano passado passado e é líder do recém-fundado Partido Taking the Initiative, organizado por cidadãos negros.

Deixe uma resposta