Chefe do MEC que defendeu prisão para ministros do STF se defende: “Tentam deturpar minha fala”.

O ministro da Educação,Abraham Weintraub, utilizou sua conta no Twitter neste domingo, 24, para se manifestar com relação à repercussão de suas declarações durante reunião ministerial com o presidenteJair Bolsonaro, dia 22 de abril.

“Tentam deturpar minha fala para desestabilizar a Nação. Não ataquei leis, instituições ou a honra de seus ocupantes. Manifestei minha indignação, LIBERDADE democrática, em ambiente fechado, sobre indivíduos. Alguns, não todos, são responsáveis pelo nosso sofrimento, nós cidadãos”, escreveu Weintraub.

Na sexta-feira, 22, o ministro do Superior Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, liberou a divulgação de vídeo da reunião entre o presidente Bolsonaro e ministros. A reunião ministerial e mensagens enviadas por celular foram citadas pelo ex-ministro Sérgio Moro como prova da tentativa de interferência do presidente Bolsonaro na Polícia Federal.

Durante a reunião, Weintraub chegou a dizer: “Por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”. Ao levantar o sigilo do vídeo da reunião, o decano do STF apontou aparente “prática criminosa” na conduta de Weintraub, “num discurso contumelioso (insultante) e aparentemente ofensivo ao patrimônio moral” em relação aos ministros da Corte. Para Celso de Mello, a declaração de Weintraub põe em evidência “seu destacado grau de incivilidade e de inaceitável grosseria” e configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria).

Comentário meu: Na corda bamba há dias, Weitraub será o boi de piranha da famosa reunião ministerial de 22 de abril. Ou seja: vai cair do Ministério da Educação!

Abraham Weintraub, ministro da Educação: dias contados como chefe do MEC.
%d blogueiros gostam disto: